quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Respeito

Foi aprovado no meio deste ano, pelo Supremo Tribunal dos Estados Unidos da América (EUA), o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Já faz alguns meses, para não falar em anos, que ambos os lados se têm 'degladiado' em manifestações, palavras, etc. 

Todas as pessoas têm algo que se chama 'livre-arbítrio', ou seja, capacidade de escolha. E assim, viver de acordo com as suas escolhas pessoais, mesmo que os outros não concordem. Contudo, algo que é importante, é respeitar os outros. Há uma frase célebre, que ouvia muito nas aulas de Filosofia: "A minha liberdade acaba, quando invado a liberdade do outro."

Posso não concordar com o tipo de vida que algumas pessoas decidem viver, mas meu papel neste mundo - do ponto de vista cristão - deve ser sempre demonstrar o meu amor pela pessoa em si. Nossa "luta" não deve ser jamais contra a pessoa, ou pessoas, em questão (para os conhecedores da Bíblia saberão o que ela diz a respeito).

Não é preciso "alimentar" guerras em ambos os lados! Guerra chama por mais guerra! Respeito chama por mais respeito!

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Bodes e Ovelhas

“Quando o Filho do homem vier em sua glória, com todos os anjos, assentar-se-á em seu trono na glória celestial. Todas as nações serão reunidas diante dele, e ele separará umas das outras como o pastor separa as ovelhas dos bodes.” (Mateus 25.31-32)
Jesus veio e nos trouxe o Reino de Deus. João diz em seu evangelho que Ele veio a nós cheio de graça e de verdade (Jo 1.14). Pela graça somos aceites por Deus como somos. Com nossas limitações, imperfeições, vícios, enfim, com nossos pecados. Somos amados e aceites como estamos. Ele nos perdoa e recebe como filhos amados e constrói uma comunhão verdadeira connosco. Ele nos faz seus amigos. Mas também há a verdade que Jesus nos trouxe. A verdade nos confronta, expõe nossos enganos e hipocrisias. Desafia-nos a mudar, a abandonar atitudes e costumes contrários ao Reino de Deus. Desafia-nos a obedecer, a nos submetermos a Deus.
São dois aspectos complementares: somos aceites sem mudanças e somos desafiados a realizar mudanças. E se de fato nos entregamos para ser aceites, nós mesmos concordaremos com as mudanças que precisamos, embora nos sintamos presos e até gostemos de atitudes e costumes que precisem ser mudadas. Acabamos compreendendo que essas mudanças representam melhorias em nossa vida, um aperfeiçoamento de quem somos. Algumas se estabelecerão e outras serão continuamente um campo de luta para nós. Mas o fato é que a graça e a verdade estarão actuando em nossas vidas, levando-nos à paz de pertencer a Deus e à luta para viver uma nova vida.
Que cristianismo é nosso? A graça e a verdade estão actuando em nossa vida? Cada um de nós só pode responder por si mesmo e somente Deus conhece o coração de todos. Sempre corremos o risco de errar ao tentar julgar o outro. Por enquanto todos somos beneficiados pelo foro íntimo e pelo “in dubio pro reo”. Todos podemos dizer “sim, sou um cristão”, sendo ou não. Mas as Escrituras afirmam que um dia Jesus, que nos trouxe a graça e a verdade, julgará cada pessoa. Ele que vê o íntimo e conhece o coração, que não comete enganos, separará “bodes e ovelhas”. Não precisamos nos surpreender e não devemos nos enganar. Podemos escolher agora de que lado queremos estar.

PERDÃO – QUANDO DEVEMOS PERDOAR?

Para os cristãos, o perdão é um tema de base. É algo que sabemos que devemos fazer, mas nem sempre sabemos como o conseguir. Na realidade, quase toda a gente acaba por se deparar com esta necessidade de lidar com situações que, intencionais ou não, deixaram a sua “marca” negativa.

Ao longo desta série de artigos, vou falar de alguns aspectos que considero relevantes e também acerca de algumas noções e passos práticos de “como perdoar”.
 
70 x 7

Jesus disse para perdoarmos ao nosso ofensor não apenas sete vezes, mas setenta vezes sete. Parece muito, parece um exagero. E temos a tendência para pensar que “não somos assim tão burros” a ponto de permitirmos que continuem a maltratar-nos sem qualquer reação da nossa parte. No entanto, o foco não é não haver reação e muito menos incentivar-nos a permitir ou pactuar. Num dos próximos artigos irei abordar este aspecto da permissividade.
 
Ofensa imperdoável 

É comum eu deparar-me com pessoas que passaram por uma situação tão grave que acreditam que nunca conseguirão perdoar. Mas afinal, perdoar é mesmo isso. Perdoar é aquilo que precisamos de fazer quando o assunto é tão sério que não podemos simplesmente passar por cima ou “deixar para lá”. Se é algo ligeiro e inconsequente, será mais fácil de ultrapassar e não terás que passar pela luta de perdoares… ou continuares a viver com esse fardo destrutivo dentro de ti.
 
É difícil 

Perdoar é difícil. Na realidade, é uma luta de gigantes. E torna-se ainda mais doloroso quando o que te fizeram (ou deviam ter feito e não fizeram) teve consequências, teve um custo (emocional ou outro) que és tu quem tem que suportar. Ou quando é uma situação que se repete — tu lutas; tu pensas que perdoaste; consegues sentir-te menos amargo… e a outra pessoa volta a fazer o mesmo. E a tua ferida volta a abrir, não só por causa desse momento, mas por todas as vezes que essa mesma situação já aconteceu; por tudo o que já investiste dentro de ti para te libertares da dor; por verificares mais uma vez que não conseguiste.
 
Sentimentos de culpa 

Quando sabes que deves perdoar, que esse é o teu papel, surge outro problema — a culpa de continuares a pensar nisso, a sentir a dor, a teres a consciência de que na realidade ainda não perdoaste coisa nenhuma. Essa culpa até poderá fazer sentido. Mas ela não leva a um caminho de saída. A sensação de culpa não direciona para a mudança; pelo contrário, ela agrava o problema.
 
Escravo 

Há dias, um cliente meu estava a dizer que tem perfeita consciência de que o seu ofensor dorme descansado toda a noite, enquanto ele continua às voltas na cama a lutar com as suas insónias.

A falta de perdão é isso mesmo. Continuas escravo daquilo que o outro te fez. Continuas a permitir que a ofensa dele continue a ser eficaz em te destruir. Ou seja, aquilo que te fez tanto mal quando aconteceu, continua a fazer-te o mesmo mal de cada vez que te lembras disso. O teu agressor continua a agredir-te, sem ter que fazer nada para isso.

Talvez estejas a viver uma situação dessas quase a tempo inteiro… talvez uma situação que já dura há anos… ou há décadas.
 
A raiz de amargura rouba a tua capacidade de viver. Podes continuar escravo dessa amargura… ou libertar-te do poder destrutivo daquele que te maltratou.


A escolha é tua!

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Lições de Mãe

Há coisas que só uma mãe pode ensinar... 

Minha Mãe ensinou-me sobre ANTECIPAÇÃO: 
"Espera só até o teu pai chegar a casa!" 

Minha Mãe ensinou-me sobre SABER ESPERAR: 
"Calma! Quando chegarmos em casa tu vais ver só..." 

Minha Mãe ensinou-me a ENFRENTAR OS DESAFIOS: 
"Olha para mim! Responde-me quando eu te fizer uma pergunta!" 

Minha Mãe ensinou-me sobre LÓGICA: 
"Se cais dessa árvore partes a cabeça, e não podes ir ao aniversário da tua prima." 

Minha Mãe ensinou-me a SER PRESIDENTE: 
"Se não passas de ano, nunca terás um bom emprego." 

Minha Mãe ensinou-me sobre como ME TORNAR UM ADULTO: 
"Se não comes os legumes, vais ficar baixinho para sempre." 

Minha Mãe ensinou-me sobre SEXO: 
"...e como é que achas que nasceste?" 

Minha Mãe ensinou-me sobre GENÉTICA: 
"És igualzinho ao teu pai!" 

Minha Mãe ensinou-me sobre as minhas RAÍZES: 
"Pensas que nasceste numa família rica ou quê?" 

Minha Mãe ensinou-me sobre a SABEDORIA DE IDADE: 
"Quando tiveres a minha idade, vais entender." 

Minha Mãe ensinou-me sobre JUSTIÇA: 
"Um dia terás os teus filhos, e espero que eles sejam iguais a ti... aí vais ver o que é bom." 

Casamento Forçado


terça-feira, 21 de outubro de 2014

Homenagem aos discipuladores


Jesus morreu e ressuscitou, entregando seu tempo em favor dos discípulos. O discipulador é uma pessoa imprescindível em inúmeros momentos da vida. Ele tem a habilidade especial, dada por Deus, para nos fazer sentir protecção e segurança quando está por perto. Isso porque representa, na liderança, a figura do pai espiritual. Portanto, é sempre bom tê-lo por perto.

Através do ato de discipular, é derramada a vida de Deus em outras vidas e o carácter de Cristo é formado em cada discípulo.

Prestamos homenagem a cada discipulador que tem-se empenhado em andar a segunda milha, sempre que preciso; entregar-se dedicando tempo; ensinar com destreza como um verdadeiro mestre; dedicar-se a amar incondicionalmente, mesmo quando não recebe nada em troca; transbordar em paciência nessa tarefa que é prazerosa, mas também árdua; perseverar na determinação de que aqueles que Deus tem confiado em suas mãos precisam permanecer no Reino; dedicar seus dias para cumprir o chamado que recebeu do Pai; ministrar disciplina e amor; chorar com os que choram e alegrar-se com a conquista de cada filho.

O discipulador é um exemplo, um modelo para o discipulado, pois prova a fidelidade de Deus em sua vida através da fidelidade que derrama nos discípulos em cada reunião, cada encontro. Tanta dedicação está sendo registada nos céus e contabilizada a seu favor. Todo o trabalho que desenvolve para o Reino tem ecoado no reino do espírito. A você discipulador, que Deus o abençoe cada vez mais. Que jamais falte sobre si o óleo fresco da unção. Que sua vida seja um transbordar da vida de Deus. Que através da sua liderança, milhares de vidas sejam tocadas e transformadas por Jesus, motivo maior de todo o seu esforço e dedicação nesse ministério de consolidação.

Que o ministério que Deus confiou em suas mãos cresça a cada dia e que o Senhor acrescente milhares e milhares de discípulos para andar ao seu lado, verdadeiros filhos legítimos.

Saiba que você é aprovado pelo Pai, Ele tem-se alegrado ao vê-lo trabalhando arduamente. Vidas para Deus são o bem mais precioso da Terra. Você cuida de pérolas, das pérolas do Reino, das quais você é a pérola principal. 

Quero também honrar o Maior Discipulador de todos os tempos, Aquele que é a base do discipulado fiel - Jesus -, aquele que nos ama e que é o motivo maior de nossa existência. Que cada discipulador busque se parecer com o Mestre Jesus. A Ele honra, glória, louvor e adoração para sempre. 

Obrigado por amar, confortar, ensinar, cuidar, aconselhar, disciplinar, liderar, ouvir, proteger, compartilhar, restaurar, guiar, perseverar, incentivar, ser amigo, ser fiel, ser paciente, libertar os oprimidos, promover cura, caminhar junto, valorizar vidas, formar o carácter de Cristo e tantas outras qualidades.

Deus o abençoe poderosamente!

quarta-feira, 2 de abril de 2014

QUEM VEIO DO MACACO?


    Existe uma piada alemã que diz o seguinte. Um garoto chegou da escola e perguntou: “papai, é verdade que eu sou filho de um macaco?” O pai, ocupado em ler o jornal, responde: “você, sim, mas eu, não!”
A Teoria da Evolução é a maior mentira que já se inventou no mundo. Quando eu ainda não conhecia a Bíblia, jurava e proclamava que o homem teria vindo do macaco, mas agora, pesquisando alguns fatos, cheguei à conclusão de que realmente: “No princípio criou Deus os céus e a terra... Formou Deus ao homem do pó da terra... Gênesis 1:1 e 2:7.
Os tais homens conhecidos como “Homem de Heilderberg”, “Homem de Nebrasca”, “Homem de Piltdown”, “Homem de Neanderthal”, etc., até hoje não passaram de mera especulação, sem garantia alguma de que realmente tenham existido. Há poucos dias, no “O Fantástico” foi dito que cientistas alemães acabam de descobrir que toda criatura humana veio de um só homem - o que prova a Teoria Bíblica da Criação.
Os cientistas apelam para os testes de DNA, do Argônio de Potássio e do Carbono 14 para comprovar que a humanidade tem milhões de anos e não apenas 6.000 anos. Entretanto, o “Jornal de Pesquisa Geográfica” informa, na edição de 15/07/68, que, usando o Argônio de Potássio, certo material vulcânico do Hawai, com menos de 200 anos, foi datado de 160 milhões  a 3 bilhões de anos. Que lorota boa, hem?
A revista “Science”, na página 636, do número 141, de agosto de 1963 informa: “Uma concha de molusco vivo foi testada pelo Carbono 14 e o resultado veio que ele estava morto há 3.000 anos”. Outra lorota boa!
Diz o cientista Dr. Melvin Cook que “se o petróleo debaixo da terra fosse tão antigo como os Geólogos afirmam (80 milhões de anos), sua pressão há muito tempo já haveria se dissipado. E que a pressão atual do petróleo é no máximo de 10.000 anos”- “Prehistory and Earth Models”, capítulos 12 e 13, edição de 1966.
Aprendemos na escola que o petróleo precisou de milhões de anos para ser formado. Entretanto, cientistas americanos trabalhando num laboratório produziram um barril de petróleo, a partir de uma tonelada de lixo, em apenas 20 minutos (“Machine Design”, 17/05/70).
Sabemos que os elétrons do átomo giram ao redor do núcleo bilhões de vezes por milionésimo de segundo. E que o núcleo do átomo consiste de partículas chamadas neutrons e prótons. Os neutrons não possuem carga elétrica e, portanto, são neutros. Mas os prótons têm carga positiva. Uma lei da eletricidade afirma que cargas iguais se repelem. Como todos os prótons são carregados positivamente, deveriam se repelir uns aos outros e se espalhar no espaço. O que... ou... Quem os mantém unidos?
A Bíblia dá eloqüentemente a resposta, em Colossenses 1:17 e João 1:3.  Ela diz que Jesus Cristo, o Criador do Universo, “é antes de todas as coisas e através dele tudo subsiste” E completa: “Todas as coisas foram feitas por ele e sem  ele nada do que foi feito se fez”. E por que? porque ele, Jesus Cristo, “estava no mundo, o mundo foi feito por intermédio dele, mas o mundo não o conheceu”. João 1:10.
Como se pode ver, o homem criado por Deus e  a quem ele deu a terra, um dia resolveu matar o próprio Deus que o criou, o Deus que se encarnara para salvá-lo do pecado e da morte eterna. E por que um Deus tão grande deixou o céu e veio habitar entre os homens miseravelmente pecadores e corruptos? Simplesmente “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira, que deu o seu Filho unigênito para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna”.  João 3:16. Neste versículo bíblico estão expostos todo o amor e toda a compaixão de Deus por todos nós. Se você ainda não conhece Jesus como seu Senhor e Salvador, procure conhecê-lo, lendo a  Bíblia. Ele há de torná-lo uma pessoa feliz e realizada, que não precisa mais acreditar em lorotas, como por exemplo, que veio de um mísero macaco!

Resumo do livro “Big Dad”, de
J.T.Chick, traduzido por Mary Schultze, 1998